After

Josephine Langford nasceu no dia 18 de agosto de 1997 em Perth, Australia, filha dos médicos Elizabeth e Stephen Langford e irmã mais nova de Katherine Langford. Desde cedo, Josephine já sonhava em ser atriz e em 2013 iniciou sua carreira e desde então nunca parou. Leia mais

Por em abril 25, 2019
Girlz (Edição Abril de 2019.)

Entrevistador: Oi pessoal! After é, para vocês dois, a primeira vez em um grande filme. Sempre foi um sonho se tornar ator/atriz?

Hero: Não, não exatamente. Eu fiz alguns trabalhos de atuação quando era mais jovem e depois de não atuar por um tempo, percebi o quanto era divertido e que eu sentia falta disso.
Josephine: Para mim foi sempre um sonho. Eu queria fazer isso desde pequena.

Entrevistador: Em After há algumas cenas bastante íntimas. Como foi filmar essas cenas pela primeira vez

Josephine: Foi tudo bem, na verdade. Nós praticamos muito com um coreógrafo e quando finalmente filmamos as cenas, nos sentimos confortáveis e familiarizados com isso.
Hero: Sim, exatamente. Antes, a ideia de filmar uma cena tão íntima era muito maior na minha cabeça, mas na realidade todo movimento é ensaiado. É como uma dança, na verdade. Às vezes, na câmera, você abre o zíper de um vestido por dois segundos e depois espera 10 minutos para a próxima filmagem.

Josephine: É, é como: abre o zíper, espera, abre mais, espera…
Hero: Não é tão intenso ou estranho como você imagina!

Entrevistador: Quão estranho seria se seus pais assistissem ao filme?

Hero: Cem milhões por cento estranho!
Josephine: Eles provavelmente não vão assistir ao filme. É melhor mostrar apenas os destaques.
Hero: Vou dizer isso: não pretendo assistir o filme junto com pais, mas se eles realmente quiserem vê-lo, obviamente eu não vou impedi-los.

Entrevistador: Vocês dois se conhecem muito bem agora. Como vocês descreveriam o outro em três palavras?

Hero: Feliz, animada e…como você diz grande atriz em uma palavra?
Josephine: Talentosa?
Hero: Sim, talentosa.
Josephine: Aw…Eu descreveria você como honesto, confiante e educado.
Hero: Legal! Obrigado.

Entrevistador: vocês são parecidos com seus personagens?

Josephine: Sim, acho que somos um pouco parecidos. Acho que é cinquenta e cinquenta – o quanto somos iguais.
Hero: Eu reconheço algumas coisas minhas em Hardin. Somos ambos realistas e sempre damos nossa opinião sincera. Mas Hardin um pouco mais do que eu.

Entrevistador: O que vocês fazem para se tornarem completamente seus personagens?

Hero: Algumas vezes são mais fáceis do que outras. Também depende do seu humor e do seu personagem. Eu sempre gosto de ficar sozinho com o figurino por um tempo e tento entrar na mentalidade do personagem.
Josephine: Felizmente eu e a personagem Tessa não somos tão diferentes, então foi mais fácil me tornar ela. Eu sempre precisei de algum tempo para alternar entre as emoções: se você filma sete cenas diferentes em um dia – e três delas são felizes e rindo – e depois você muda para uma cena de choro, é bem difícil.

Entrevistador: Qual cena vocês mais gostaram de filmar e qual vocês menos gostaram?

Josephine: Eu gostei de filmar as cenas da montagem. Nós podíamos ficar brincando e comendo comida chinesa fria.
Hero: Nós estávamos apenas deitados na cama conversando e metade do tempo nós nem notávamos se eles estavam filmando ou não. Eles pegaram pequenos pedaços disso. Foi muito divertido, mas o lago foi meu favorito.
Josephine: Mas também o pior.
Hero: Sim, e o pior. Nós primeiro precisávamos esperar horas para realmente entrar na água e quando finalmente entramos, estávamos na água por um longo tempo. E em alguns momentos estava até chovendo.
Josephine: Estava congelando.

Matéria: GIRLZ | Tradução: Chris (Equipe Josephine Langford Brasil.)
Por em abril 22, 2019
Por Gabe Bergado (22 de abril de 2019)

No novo filme After, Josephine Langford estrela como Tessa, uma jovem transitando à vida adulta quando começa seu primeiro semestre de faculdade. Em casa, ela sempre foi uma filha responsável e tinha um namorado do ensino médio. Mas quando ela conhece o pensativo e misterioso Hardin Scott (Hero Fiennes-Tiffin), seu mundo todo é revirado. Tessa de repente está fazendo coisas que nunca fez antes, experimentando coisas que nunca pensou que experimentaria – mas é por causa de Hardin, ou porque finalmente teve a oportunidade de descobrir as coisas sozinha? De qualquer forma, é claro que depois de conhecer Hardin, nada é o mesmo.

O filme é o primeiro grande projeto de Josephine, que já se apresentou em alguns curtas e apareceu em alguns episódios de Wolf Creek. Conseguir o papel de Tessa foi uma grande coisa. O filme é baseado na mega-popular série de livros After de Anna Todd, cujos romances foram inspirados pela fanfiction de One Direction, estrelada por Harry Styles, que ela escreveu no Wattpad – e atraiu uma fã base dedicada. Josephine conversou com a Teen Vogue sobre o drama romântico, o apoio do fandom e muito mais.

Como você entrou para o ramo da atuação e como foi sua primeira audição?
Atuar é algo que eu sempre quis fazer e me interessou. Para mim, foi meio que um processo de descobrir como entrar na indústria porque eu cresci em uma cidade em que a indústria não é forte. Eu acho que meu primeiro teste foi para um musical local. Foi rápido. Eu não consegui o papel.

Quais são os seus filmes favoritos?
Eu tenho queda por filmes de ação. Um dos meus filmes favoritos são Sr. & Srª Smith, O Cavaleiro das Trevas, Inception, O Quinto Elemento, Piratas do Caribe e Os Vingadores. Esse tipo de coisa. Em termos de apenas um bom filme para assistir, eu assisto tudo e qualquer coisa, exceto horror. Isso me assusta.

O fandom de After é grande. Você estava familiarizada com a saga de livros antes de se juntar para o filme?
Eu não tinha ideia que os livros existiam e que eram essa coisa tão grande que todo mundo parecia saber sobre, exceto eu. Eu acho que quando tinha 14 anos, eu o encontrei online. Então eu tive a sensação que eu tinha lido as primeiras páginas da fanfic, mas não.

O que se destacou para você sobre a Tessa, e o que acha que faz ela ser tão relacionável?
Apenas um monte de pequenas coisas foram o que me fizeram fazer isso e me atraiu para a crueza da história. Eu apenas li o livro e o roteiro e senti que eu entendi o jeito que ela pensava. Eu queria ter certeza de que ela não seria interpretada como uma caricatura, porque eu sinto que tem uma expectativa para garotas se vestirem de certa maneira, ou serem conservadoras, ou elas são inteligentes mas são interpretadas como essas boas garotas bidimensionais, então houve algo sobre a personagem na história onde eu estava tipo, “Eu quero ser a única a fazer isso porque eu quero acertar.”

Eu acho que tem algo que realmente dá pra se identificar sobre ela, é o que essa história é sobre, e sobre a primeira vez que você lê um poema ou a primeira vez que você se afasta da sua família ou você vai para faculdade e conhece novas pessoas. Ou você tem seu primeiro amor ou o primeiro relacionamento. Com Tessa, eu acho que eu tenho que dar todos os créditos para Anna Todd, a autora do romance, porque eu acho que ela foi capaz de escrevê-la de uma maneira onde todo mundo que a lê pode se identificar com ela de uma forma ou de outra.

Como foi trabalhar com o Hero Fiennes-Tiffin?
Ele é ótimo. Ele é maravilhoso. Para nós dois, este é o nosso primeiro grande papel. Foi bom fazer essa jornada com alguém que estava no mesmo barco que eu.

Muita gente conhece After porque foi baseado em uma fanfiction de Harry Styles do Wattpad, mas o livro obviamente tem Hardin como seu próprio personagem. Qual foi sua reação quando você ouviu pela primeira vez que o personagem era vagamente uma extensão do ex-integrante do One Direction?
Eu realmente não tive uma. Eu falei com Anna, e nós conversamos muito sobre isso, e Anna disse isso tantas vezes, que para ela, One Direction e Harry Styles e tudo mais, inspirou a fan fiction, basicamente, apenas pelos seus rostos. Eles realmente não têm nada a ver com a história, e nada a ver com os personagens, e nada em comum. Mesmo fisicamente, como a maneira como são descritos no livro, seus rostos estão cheios de piercings e tudo mais. A história realmente não tem nada a ver com Harry Styles ou One Direction. Quando cheguei e li o livro, li o roteiro, não havia nada nos dois que sequer aludisse a isso. Então eu realmente não tive uma reação, além de que eu achei incrível que ela tivesse criado esse trabalho que tocou tantas pessoas de alguma forma, basicamente escrevendo fanfiction como hobby, sobre uma de suas bandas favoritas. Eu acho isso muito legal.


Há algumas cenas bem quentes no filme, incluindo uma em que Tessa e Hardin vão nadar no lago. Como foi se preparar mentalmente para fazer essas cenas?
Bem, eu nunca tinha filmado uma cena íntima antes, então, obviamente, concordando e sabendo que havia algumas cenas, eu fiquei tipo, “Ok, como vai ser?” Não era medo, era apenas, não sei, uma antecipação curiosa? Mas então nós tivemos muita sorte de termos um período de ensaio de uma semana e muitas dessas coisas mais íntimas, nós as separamos e coreografamos como uma dança; foi muito técnico. O momento em que nós filmamos, foi no final das filmagens, quando estávamos muito confortáveis ​​com toda a equipe. Mesmo que eu não soubesse como seria, fiquei chocada com a facilidade e o profissionalismo que foi e como eu estava confortável durante a coisa toda.

Se você estivesse no lugar de Tessa, você seria capaz de perdoar Hardin por tudo o que aconteceu?
Eu não sei o que eu faria. Se eu estivesse apaixonada por um cara, e ele fizesse coisas que Hardin fez… Eu tenho amigas minhas que dizem que nunca perdoariam o namorado se ele as traíssem, e então elas se apaixonam loucamente, seus namorados as traem, e elas os perdoam e seguem em frente. Eu sinto que esse tipo de coisa é difícil de saber o que você faria – ou prever o que você faria quando estivesse apaixonada – se não está nessa situação.

Qual tem sido sua lembrança favorita de toda essa jornada com After?
Honestamente, acho que são os fãs. Eu não tive a oportunidade de conhecer muitos deles enquanto estávamos filmando, então agora que estamos nessa turnê de imprensa, eu pude conhecer muitos deles em eventos, sessões de autógrafos, e tudo mais. Só de ver como as pessoas estão felizes que um de seus livros favoritos se transformou em um filme e ganhou vida. Há algo tão gratificante sobre isso, quando você vê que você fez algo, não importa o quão pequeno, que fez alguém feliz. Eu não quero dizer que é bom ver as pessoas chorarem, porque é claro que não é, mas há algo realmente emocionante e amável em ver o impacto que você está tendo na vida de alguém.

Matéria: Teen Vogue | Tradução: Equipe Josephine Langford Brasil
Por em abril 18, 2019
por Mariana Mijares – (18 de Abril de 2019.)

Josephine Langford, a irmã de Katherine Langford nos conta sua experiência em After, o filme baseado na fanfiction que tem mais de um bilhão de visualizações!

After nasceu quando a autora americana Anna Todd começou a escrever no Wattpad uma história romântica e intensa entre Tessa Young e Harry Styles (inspirado no cantor do One Direction mas chamado de Hardin Scott nos livros). Essa se tornou viral e evoluiu para uma saga de livros e agora, um filme protagonizado por Hero Fiennes-Tiffin e Josephine Langford.
A história foca em Tessa (Langford), uma jovem no seu primeiro ano da faculdade, acostumada com uma vida organizada mas cujo o mundo muda ao conhecer Hardin (Fiennes), um ‘bad boy’, um cara com tatuagens, irresistivelmente atrativo e rebelde, com quem Tessa tem a sua primeira vez. A partir desse momento, sua vida depois não será a mesma.
Em exclusiva, Josephine nos conta sobre sua própria vida como estudante, porque acha que nos atraímos por caras maus e sua química inegável com Hero Fiennes-Tiffin.

“É muito importante para as garotas verem um filme sobre uma mulher forte, com autonomia e que toma suas próprias decisões se mantendo fiel à si mesma.”

Seventeen: Como você se identifica com a sua personagem?
Josephine: Sinto que há pessoas que conheço que agem impulsivamente como ela e tentei ser nesse sentido como elas. Eu também procuro não ter muito a esconder. Eu tenho a tendência de inspirar minhas personagens em pessoas que eu conheço porque é difícil julgar a si mesmo.

Seventeen: Qual foi a cena mais difícil?
Josephine: A cena do lago foi complicada. Me molhava e me secava várias vezes. Havia uma possibilidade de tempestades, então quando terminamos a cena, fomos ajudados pelo pessoal de segurança.

Seventeen: Foi um desafio interpretar sua personagem?
Josephine: Sim, mas acredito que queríamos que fosse um desafio, especialmente quando se trata do seu primeiro papel de protagonista. Realmente não se sabe o que esperar e você quer pular fundo.

Seventeen: Nesse filme, Tessa é uma universitária, como você era como estudante?
Josephine: Bem, eu não fui para a universidade como Tessa, mas posso falar da minha experiência no colegial. Alguns anos eu era uma estudante muito dedicada, mas outros [anos]nunca fiz o dever de casa. Me descreveria como uma mistura volátil.

Seventeen: Tessa adora ser organizada e ter tudo sob controle. Você é mais como ela ou se considera mais relaxada?
Josephine: Acredito que sou meio a meio, estou no meio da personalidade A e personalidade B. Digo, eu amo ser organizada, mas às vezes também gosto de improvisar. Uma metade justa.

Seventeen: Essa história se tornou um fenômeno, isso te fez se sentir pressionada de alguma maneira?
Josephine: Acho que foi até filmarmos que eu entendi como era grande e a quantidade de fãs que tem, tanto a fanfiction quanto o romance. No meu caso, até que muitos fãs começaram a chegar aos locais, e no nosso hotel, eu entendi que as pessoas realmente eram apaixonadas por essa história.

Seventeen: Pessoalmente, você já teve muita interação com os fãs?
Josephine: Honestamente, eu não tive muita aproximação com eles. Durante as filmagens, como literalmente estou em todas as cenas – menos em uma – estive sempre ocupada filmando. Mas eu espero que quando começarmos a divulgar o filme isso mude.

Seventeen: Qual foi a sua primeira impressão ao ler o livro e o que você mais gostou em Tessa, sua personagem?
Josephine: Quando o li pela primeira vez, eu gostei como conhecemos a Tessa como uma mulher forte, segura, que toma suas próprias decisões. Ela é uma mulher inteligente e que não muda para agradar os outros. Eu gosto dessa personagem e acho importante vê-la em um romance e um filme para jovens.

Seventeen: Por que você acha que quando somos jovens, tendemos a nos apaixonar pelos caras maus?
Josephine: Sim, isso acontece. Mas mais do que “maus”, acredito que mulheres jovens, com pouca experiência com amor e relações, tendemos a nos apaixonar por caras experientes. A essência disso, desses “jogadores”, é que eles têm muitas qualidades atrativas: são simpáticos, inteligentes, divertidos e por isso muitas jovens se apaixonam por eles. E quando não se tem experiência, é difícil captar esses sinais.

Seventeen: No entanto, nessa história, a conexão entre os personagens torna-se real e intensa…
Josephine: Exato, eu descreveria a relação de Tessa e Hardin diferente. Eles têm primeiro: uma conexão intelectual poderosa, ambos amam romances e isso os atrai inicialmente.

Seventeen: Falando apenas de conexões poderosas, o que pode nos contas sobre a química que teve com Hardin?
Josephine: Bom, eu espero que tenhamos representado a química ou nós estamos fritos (risos). Acredito que somos muito sortudos de termos química, e foi quase imediato porque não tivemos muito tempo para nos conhecer antes de iniciar o projeto.

Seventeen: Falando apenas da relação entre os personagens, você acha que como no filme, os primeiros amores podem marcar um antes e um depois em nossas vidas?
Josephine: Especialmente, nosso primeiro amor é super importante, é a primeira vez que se sente algo intenso por alguém. Explorar-lo realmente pode mudar sua identidade. E nessas relações, o componente físico é um grande fator, algo que te faz amadurecer, mudar.

Seventeen: Por que você gostaria que as leitoras da Seventeen vissem After?
Josephine: Bem, não só as garotas, também gostaria que os garotos vissem! Acho que é uma história muito boa sobre uma mulher jovem que explora sua sexualidade pela primeira vez e que amadurece e muda a partir disso. Além disso, acredito que é muito importante para as garotas ver um filme sobre uma mulher forte, com autonomia e que toma suas próprias decisões mantendo-se fiel a si mesma. Muitos filmes não mostram isso.

Seventeen: Sobre a sua irmã Katherine, como é sua relação? Como vocês se apoiam?
Josephine: É complicado porque vivemos em países diferentes, não nos vemos tanto porque estamos trabalhando muito mas quando nos encontramos, nos vemos com gosto e organizamos pequenas celebrações. Nossa relação se trata justamente de nos apoiarmos, parabenizarmos e nos encorajar

Matéria: SevenTeen México. | Tradução: Carol (Equipe Josephine Langford Brasil.)

Por em abril 16, 2019
por Henry Arnaud (15 de abril de 2019)

”Eu quero ir ter aulas de francês em Genebra (Suíça) para me aperfeiçoar. Amigos me disseram que era uma grande cidade,” diz a jovem atriz no início da entrevista. Josephine Langford é a estrela do romance Teen After da saga hit de mesmo nome.

Qual foi o seu percurso?

Eu cresci em Perth, uma cidade no oeste da Austrália, onde parecia quase impossível ter sucesso em uma carreira de atriz. Comecei aos 14, mas levei anos para conseguir um agente em Hollywood. Ele me aconselhou a vir para Los Angeles e fazer um teste aqui.

Você está pronta para se tornar famosa caso After se torne um sucesso mundial?

Não estou tentando fazer planos para o futuro porque não está em minhas mãos. Nos tempos atuais, podemos ser um desconhecido na segunda-feira, uma estrela na terça-feira e ser esquecido antes do final de semana.

Como você lidou com as cenas sensuais do filme?

Eu nunca tinha simulado sexo na frente de câmeras antes e estava muito nervosa. Conversei o dia inteiro com o meu parceiro, Hero Fiennes-Tiffin, para evitar situações estranhas. No final, um coreógrafo nos ensinou a simular o amor como se fosse uma dança. Tudo correu bem, mas admito que não consigo assistir a cena mais quente do filme em uma tela grande! (Risos).

After é a adaptação do primeiro volume de uma série de cinco livros. Você assinou os seguintes quatro filmes?

Eu tenho vários projetos para os próximos dois anos, mas não vou virar as costas para After. Se os fãs quiserem, estou pronta para interpretar Tessa novamente. Mas eu gostaria de atuar em um filme de ação ou ficção científica até o final do ano.

Como é o seu relacionamento com sua irmã Katherine, estrela da série 13 Reasons Why? Eles dizem que vocês se odeiam …

É mentira. Minha irmã e eu muitas vezes rimos da estupidez daqueles que inventam coisas para tentar nos fazer reagir. Nos vemos um pouco como as irmãs Fanning. Dakota e Elle têm suas próprias carreiras e planos, independentemente do que as pessoas pensam.

Você estaria pronta para um filme com sua irmã?

Por que não? Se o cenário for excelente, eu diria que sim.

Materia:20 minutes. | Tradução: Sabrina (Equipe Josephine Langford Brasil)

Por em abril 13, 2019
Por: Sydney Nash (13 de Abril de 2019).

Você chama Perth, Austrália, de casa. Conte-me como foi crescer na Austrália Ocidental. Você passou muito tempo em casa entre trabalhos?
Austrália Ocidental é lindo e é seguro e o clima é perfeito e as pessoas são maravilhosas e eu iria altamente recomendar crescer lá. Eu continuo a viver em casa, então sempre que eu não estou trabalhando, eu volto. Isso foi apenas por três dias esse ano.

Qual foi o momento onde você percebeu que você queria atuar? Conte-me a sua primeira performance.
Tem sido algo que eu queria fazer desde que eu me lembro. Eu não acho que teve um filme específico ou um momento que provocou isso. Eu acho que minha primeira performance provavelmente foi como Bella em uma interpretação na escola de A Bela e a Fera quando eu tinha seis anos.

Antes de After, você estrelou em Wolf Creek e Wish Upon. Como esses papéis te prepararam para o seu papel como Tessa em After?
Somente experiência de set. Quanto mais sets você estiver, mais preparado você se sente para chegar no próximo.

Conte-me como o papel de Tessa surgiu.
Eu fiz uma audiência para outro papel no filme, tive um retorno para a segunda audição pelo Skype e então meus agentes me ligaram me perguntando se eu queria ir para Los Angeles e me encontrar para o papel de Tessa, em vez desse [o antigo papel].

A saga tem uma fan base muito grande e segue. Sabendo disso, você sentiu alguma pressão adicional na preparação desse papel?
Eu senti que eu tinha uma grande responsabilidade para acertar. Com qualquer projeto com uma fan base pré-existente e grande, haverá muitas expectativas quando se trata de como você desempenha o papel. Você só tem que tentar não se sentir pressionado por isso. Você precisa fazer suas próprias decisões e estar seguro e confiante em seu desempenho e no que você está fazendo.

Anna Todd escreveu os livros que o filme é baseado. Ela te deu alguma dica ou clareza sobre a personagem Tessa antes de filmar?
Eu tive algumas longas conversas com Anna antes de filmar mas honestamente não tantas sobre a personagem. Ela confiou em mim e que eu conhecia Tessa e o que eu estava fazendo e eu me senti muito feliz por ter essa confiança.

After foca em um romance conturbado entre sua personagem, Tessa, e o galã Hardin Scott (interpretado por Hero Fiennes Tiffin). Conte-me como foi trabalhar ao lado do seu protagonista.
Hero foi maravilhoso. Ele foi tão encorajador. Para nós dois, esse foi o nosso primeiro grande papel, e tem sido ótimo fazer essa jornada com alguém no mesmo barco.

Existe algum truque para criar uma química nas telas?
É uma combinação de se sentir confortável com quem você está trabalhando, boa moldagem, boa cinematografia e o diálogo certo.

Tessa é uma caloura na faculdade no filme, onde ela está aprendendo a navegar não somente no amor jovem mas também as outras pressões sociais de ser uma universitária. Tendo 21 anos, onde você foi capaz de usar qualquer de suas próprias experiências para ajudar a participar de sua representação?
Não tiveram muitas coisas que eu pude usar das minhas próprias experiências, eu nunca fui para faculdade e me apaixonei por um garoto britânico impulsivo e tatuado. Eu tenho muitos amigos cujas experiências eu vejo refletidas no filme e na jornada de Tessa.

After é um dos filmes mais esperados do ano e sem dúvidas o que mais está trazendo atenção para sua carreira. Você está preparada para o holofote que esse filme vai te trazer?
Sim e não. Eu não tenho certeza se você pode estar totalmente preparado para algo que você não sabe o que vai ser exatamente. E ao mesmo tempo, eu estou atuando por sete anos então eu tive tempo para me ajustar à indústria.

Você esteve em um filme de terror e agora em um drama/romance. Tem algum outro gênero que você está interessada em procurar?
Eu iria amar fazer mais drama. Ação e comédia também seria ótimo.

Qual seu papel dos sonhos?
Eu ainda não o encontrei.

Você está apenas no começo da sua carreira de atriz. Conte-me o que virá em seguida para você e o que você mais espera dos próximos anos.
Tem alguns projetos que eu estou lendo no momento e que eu estou apaixonada. Para os próximos anos eu só estou ansiosa para trabalhar em filmes e em personagens que eu estou apaixonada.

Perguntas Rápidas:

Você não está no set. Onde podemos te encontrar?
No meu quarto. No meu laptop.

Lugar favorito para viajar?
Eu não fiz muitas viagens não relacionadas à trabalho. Eu vou dizer Toronto porque eu tenho muitas boas lembranças de lá.

Melhor comédia romântica de todos os tempos?
The Big Sick.

Um incômodo?
Eu tenho milhares. Hoje, meu incômodo é com pessoas que se sentem no direito de dizer à outras pessoas o que elas devem vestir.

Matéria: Content Mode Magazine. | Tradução: Carol (Equipe Josephine Langford). 
Por em abril 13, 2019
Por Christina Radish (12 de abril de 2019)

Dirigido por Jenny Gage e baseado no imensamente popular livro de Anna Todd, o drama romântico After segue Tessa Young (Josephine Langford), que embarca no seu primeiro ano da faculdade como uma aluna dedicada e uma filha obediente, até que sua colega de quarto a convence a experimentar o lado social da faculdade. Depois que um jogo de verdade ou desafio leva a uma rejeição que intriga a misteriosa importação britânica Hardin Scott (Hero Fiennes-Tiffin), os dois aprendem que eles têm mais em comum do que eles poderiam imaginar mas ao mesmo tempo, o segredo que Hardin está escondendo poderia romper qualquer chance que eles têm de um amor real.

No dia de entrevistas do filme em Los Angeles, Collider teve a oportunidade de sentar e conversar com a atriz australiana Josephine Langford sobre como ela acabou interpretando Tessa depois de originalmente ter feito teste para outro papel, como ela se conectou à sua personagem, o que ela achou desafiador sobre papel, filmar a cena do lago, ter Selma Blair interpretando sua mãe, a importância de Tessa fazer suas próprias decisões em sua vida e no amor, se ela seria tão indulgente quanto sua personagem, os mais engraçados e os mais desafiadores dias no set, o que a levou a ser uma atriz e a série de TV que ela adoraria fazer uma convidada especial.

Collider: Você originalmente fez teste para uma personagem diferente, como você acabou interpretando Tessa?
Então, meus amigos estavam fazendo testes e eu estava como, “O que é isso?”. Eu estava torcendo pelos meus amigos mas eu estava: “O que é essa gravação que estamos prestes a fazer?” E eles estavam tipo, “Oh, é só essa coisa. Você não pode fazer teste para isso porque você precisa de um green card e também tem conflito com o trabalho que você está gravando.” E aconteceu, eu não fiz a audição. Três meses depois, eles haviam adiado as datas da filmagem e tinham selecionado a Tessa, mas eu consegui um teste para Molly porque de repente eu estava disponível quando eles adiaram as datas de filmagem. Essa foi uma das únicas audições que eu já fiz, onde eu não li o roteiro de antemão porque eu literalmente não tinha tempo aquela semana. Então, eu fiz a audição e fiz um retorno de chamada, e então eu recebi uma ligação dizendo, “eles querem você para o papel principal.” Então eu li o roteiro e eu estava tipo, “Oh, sim, isso parece uma sensação melhor.”

Collider: Então, você claramente não estava familiarizada com os livros.
Eu não sabia sobre os livros. Quando meus amigos fizeram audição para o filme, eles estavam tipo, “é, aparentemente é baseado em uma saga de livros bem-sucedida.”

Collider: E então, você descobriu quão insanamente bem-sucedida essa saga de livros é?
E é, e isso acontece muito com audições. Você vai ler algo e vai ter duas grandes celebridades. Você vai ler outra coisa, e tem uma fanbase imensa. Tem tantos projetos aí fora, que têm tantas coisas sobre eles que são bem-sucedidas, que às vezes é difícil perceber qual deles vai estourar.

Collider: Qual foi a coisa sobre Tessa que você se sentiu mais conectada?
Com todos os personagens que eu já interpretei, eu sinto que eu compreendi o jeito que ela pensava e como ela era. Nós temos um monte de pequenas coisas em comum. Eu li e eu estava assustada sobre alguém interpretando ela muito caricata porque eu sabia que isso era tão possível para alguém fazer o papel como uma personagem tensa, conservadora, unidimensional. E eu estava tipo, “Eu quero interpretar ela porque eu quero fazer isso certo.”

Collider: O que você mais se sentiu desafiada, com Tessa?
Eu tive que fazer um sotaque para o papel, mas eu não tinha que fazer maneirismos loucos, para mim, a coisa mais desafiadora foi nos bastidores das filmagens, estar em literalmente todas as cenas, gerenciando a continuidade emocional e lidando com agendamento e filmagem tudo fora de ordem. Eu nunca tive que lidar com isso antes, então eu achei que isso foi o mais desafiador sobre gravar o filme.

Collider: Como você achou o sotaque?
Eu estava praticando o sotaque americano por anos, e eu fiz isso em alguns papéis diferentes, então eu estava bem confiante. Foi tudo bem.

Collider: A cena do lago entre Tessa e Hardin é realmente bonita de se ver, e parece como algo que soaria muito divertido no papel, mas na verdade, parece que pode ter sido um pouco desafiador fazer isso. Como foi para filmar?
Foi uma das melhores e uma das piores cenas. Nós tivemos que filmar por três dias no lago. Teve um dia em que tivemos uma trovoada, e a cada 30 minutos, nós tínhamos que sair da água e nos mover para o acampamento. Foi um pesadelo. Então, teve um momento que estava muito frio, e nós estávamos de pé no cais, congelando e tentando controlar os calafrios. Não foi bom. Teve um momento onde estava muito quente e nós tivemos que pular e nadar, o que foi ótimo. Isso foi realmente divertido. Mas, definitivamente tiveram desafios em filmar lá.

Collider: Quando eu assisti esse momento, eu me perguntei se você era capaz de passar pelo diálogo sem engasgar com a água e eu me perguntei se você estava preocupada com o que estava naquela água.
Quando nós estávamos beijando, foi muito engraçado porque deve haver tantos sequências onde estávamos apenas entrando e saindo da água. Eu não conseguia parar de rir porque nós estávamos engolindo água e tentando fazer essa cena de beijo romântico. E nós tivemos uma pessoa que cuida de cobras lá porque tinham cobras no lago. Eu sou da Austrália então eu estou acostumada com isso.

Collider: Como foi ter Selma Blair interpretando sua mãe?
Ela é maravilhosa! Ela é tão hilária. Ela é tão boa. Nós temos tanto em comum que foi muito hilário que tenhamos sido escolhidas para mãe e filha porque nós até andamos da mesma maneira. Ela é tão engraçada. Nós entramos em uma sala para fazer uma cena, e logo antes de entrarmos (em cena), ela gritava algo como: “Mangas!” E então, estávamos todos tentando controlar nossa risada, enquanto estávamos fazendo a cena, mas ela ficaria bem porque ela é apenas uma profissional.

Collider: Eu realmente achei que foi uma decisão inteligente de suavizar um pouco o Hardin no filme. Ele pareceu muito mais babaca no livro.
Bem, quando você tem 600 páginas para falar sobre um personagem e para descrever o personagem, é diferente de ter uma hora e meia no filme. Você tem que adaptar algumas vezes, caso contrário não funciona. Nós apenas temos algumas cenas para a audiência para ver como ele é. Há sempre pequenas coisas que você tem que mudar para adaptar algo à um filme. Se tivermos sorte o suficiente para ter mais filmes, e adaptar o segundo e o terceiro e o quarto livro, definitivamente haverá muito mais do relacionamento complicado deles. Eles discutem muito, e isso é algo que nós estamos tentando trazer para os outros filmes. É difícil escrever isso quando você tem quatro minutos na tela para fazer uma cena de discussão e resolvê-la. É muito mais difícil do que quando você tem cem páginas no livro. Então, tem alguns elementos do relacionamento que definitivamente vão ser mais mostrados nos filmes seguintes, se nós tivermos filmes seguintes. Para esse filme, foi tão importante que nos focamos em estabelecer o relacionamento primeiro antes de entrarmos nas complicações do relacionamento.

Collider: É ótimo que Tessa faz todas as suas próprias decisões ao longo do filme e ela fala o que ela quer e o que ela não quer.

Ela faz o que ela quiser, de acordo com seus próprios níveis de conforto.

Collider: Isso foi algo que estava sempre no roteiro, ou foi sempre falado, ao longo do caminho?
Estava sempre no roteiro e eu acho que estava sempre no livro. Tiveram algumas pequenas revisões que Jenny Gage fez para o roteiro, que foram fantásticas, mas sempre foi uma parte do livro, também. Tessa faz o que ela quer, de acordo com seus próprios níveis de conforto. Quando a mãe dela está tipo, “não fique com esse menino”, ela não escuta. Quando as pessoas estão tipo, “você não fez sexo ainda, você deveria”, ela não escuta isso. Ela faz o que ela quer, e isso não é sobre o que as outras pessoas ao redor dela querem que ela faça. Ela está no controle da sua própria sexualidade, e isso é algo que sempre foi uma parte dos livros, e algo que sempre foi muito importante sobre eles. Ela está aberta à novas experiências, e ela está curiosa e quer tentar coisas. Ela nunca foi pressionada pelo Hardin a fazer nada, e ela não se deixa ser por outras pessoas.

Collider: Você sente que se você estivesse na situação da Tessa, você seria tão indulgente quanto ela, ou você acha que você iria reagir de forma diferente da dela?
A resposta honesta é que eu não sei. Amor é uma emoção muito forte, e é uma emoção muito poderosa. Eu não acho que você pode prever o que você faria nessas situações. Eu tenho amigas que dizem que elas nunca perdoariam traição, mas então elas se apaixonam, o cara trai e elas perdoam ele. Eu não sei o que eu faria.

Collider: Você teve um dia muito divertido no set, e houve um dia muito desafiador?
O dia mais desafiador foi uma cena altamente emocional que acontece no final do filme. Eu não quero falar especificamente o que, mas foi filmado ao longo de 16 horas. Foi só uma cena, de um milhão de ângulos diferentes, e fazer essa cena repetidamente, por 16 horas, foi difícil. Eu lutei com isso. Tudo com a Selma foi provavelmente o melhor. Eu também achei as coisas da montagem muito divertidas porque você pode conversar, mas eles não estão gravando o que você está falando, então você pode fazer qualquer coisa.

Collider: Você teve um monte de mulheres envolvidas nessa produção, desde a diretora até a autora e as produtoras, e o elenco é formado por um grupo muito diverso e interessante de atores.

Todo mundo achou que foi muito importante, e realmente tentaram se certificar que tinha muita diversidade no elenco. Você sempre pode se esforçar por mais. É algo que não acontece o suficiente na indústria, mas todo mundo achou que era tão importante que nós temos pessoas com orientações sexuais diferentes, raças diferentes e idade diferentes, então todo mundo tem algo para se identificar. Se você está fazendo um filme, as pessoas nele têm que se parecer e representar como as pessoas no mundo real aparentam. Eles apenas fazem. Não fazer isso não faz nenhum sentido. É apenas idiota.

Collider: Porque você chegou a isso tão tarde, teve um momento em que finalmente se juntou a todos e as coisas pareceram que realmente dariam certo?
Exceto por Hero [Fiennes-Tiffin], cada pessoa foi colocada no elenco em pouco tempo. Alguns dos personagens foram escolhidos um dia antes de aparecerem no set. Então, foi provavelmente no meio do caminho, ou no fim das filmagens, quando todo mundo já tinha sido escolhido e todos nós saímos, onde ficamos tipo, “Okay, é isso.” Isso foi a realidade de fazer um filme. Às vezes você aparece e é tipo, “esse é o cara que você vai beijar,” e você faz a cena.

Collider: Quando você assume algo assim, onde é um papel principal tão grande e um personagem que várias pessoas amam de uma saga de livro que é muito amada, foi algo que você se sentiu realmente pronta ou é algo que você realmente aprendeu muito sobre?
Eu não sei. Para mim, eu só li o roteiro e eu estava tipo, “esse é o papel que eu estou fazendo,” e eu apareci no set e eu fiz isso. Eu não penso muito sobre todo o resto. O que eu aprendi nisso foi que eu realmente gosto desse processo e eu amo isso. Eu estou tão feliz que eu tenho o privilégio de fazer isso, como uma carreira. Isso foi o que eu aprendi. Algumas experiências no set não são boas, e algumas vezes o processo de audição não é divertido. Há um monte de coisas diferentes sobre essa indústria que pode fazer você não gostar disso. E então, quando você tem uma experiência e é realmente boa, e você está em um papel que você gosta com pessoas que são maravilhosas, te dá um impulso e faz você ir, “é por isso que eu estou fazendo isso.” Isso substitui todos os momentos onde não parece gratificante..

Collider: Um monte de crianças dizem que querem ser atores, assim como eles dizem que querem ser astronautas, bombeiros ou veterinários. Como você decidiu tomar esse passo para fazer isso acontecer, de verdade?
Eu sempre soube que eu ia ser uma atriz, e eu queria ser uma atriz porque não tinha mais nada e eu estava tipo, “Eu quero fazer isso para viver.” Eu cresci em uma cidade muito pequena e isolada que não é incrivelmente carregada de indústria. Nós só temos quatro agentes em toda a cidade, então demorei um pouco para descobrir como um agente era e como a indústria funciona. Foi um processo realmente demorado de aprender como as coisas funcionam e como entrar na indústria.

Collider: Também ajudava que sua irmã, Katherine, estava passando por isso igualmente ou vocês seguiram caminhos muito diferentes?
Nós seguimos caminhos diferentes. A maneira como eu consegui um agente dos Estados Unidos foi através de alguém que me apresentou à eles, e ela conseguiu seu agente nos Estados Unidos através de um workshop. Nós temos diferentes caminhos para descobrir e entrar na indústria.

Collider: Você sabe o que você vai fazer a seguir ou você já pensou no que você deseja fazer a seguir?
Tem alguns projetos que eu li recentemente que eu amo. Eu ainda estou no processo de conhecer eles, então eu não tenho nada bloqueado ou aguardando. Eu tenho algumas coisas por aí.

Collider: Quando você lê algo, você instintivamente sabe se algo não é para você?
Eu passo por muitas coisas. Tem algumas coisas que eu li que eu não senti nenhuma conexão, mas algumas pessoas podem sentir. É incrivelmente pessoal, coisa subjetiva, e é o mesmo com as coisas que eu estou apaixonada sobre. Não é o gênero. Não é o personagem. Você lê algo e tem algo inexplicável sobre isso que faz você querer fazer.

Collider: Você está procurando por filmes e projetos de TV?
É, eu estou. Com TV, você só tem que ter um cuidado extra para ser o que você realmente ama, porque obviamente é um contrato mais longo. Mas com certeza, eu estou interessada em ambos.

Collider: Tem algum programa de TV atual que você ama que você adoraria fazer um participação ou um arco?
Tem tantos. Eu não posso escolher, então eu só vou com a última coisa que eu assisti que foi Sex Education do Netflix. Foi maravilhoso e eu acho que seria bem divertido fazer uma participação. Eu adoraria fazer participações. Isso soa muito divertido.

After já está nos cinemas.

Matéria: Collider | Tradução: Carol (Equipe Josephine Langford Brasil)

Páginas1234


Últimas da galeria

Layout por Rosé e codificado por Gabriela Gomes • Josephine Langford Brasil • Hosted by Flaunt